Entrevista – Pedro Neto

 

Poderíamos, definitivamente, utilizar a expressão “angariador de prémios” para definir o Pedro Neto. Num país onde se reivindicam oportunidades para os jovens talentos, a determinação e a crença são as palavras de ordem. E essas, são apenas duas das características, que contribuíram para prémios como o Bloom ou Jovem Designer 2015 e 2016. Atualmente os voos são mais altos e a arte inunda o seu espaço de co-working na Cidade Invicta – BOX32.

 

 

 

LC: Quando sentiste pela primeira vez que o mundo da moda fazia parte de ti?

Pedro Neto: Não me recordo de querer sequer outra profissão! Desde muito cedo soube bem o que queria ser e explorar. Houve, sem dúvida, uma grande influência por parte da minha família, ligada à indústria têxtil. Lembro-me de ver vestidos da Christian Dior e Christian Lacroix e ficar fascinado com os detalhes de cada vestido. Este é um dos principais motivos pelos quais a minha marca tem uma grande preocupação com os detalhes e a qualidade.

 

LC: Qual a tua peça de roupa favorita?

Pedro Neto: Poderia eventualmente selecionar uma para facilitar as coisas, mas a verdade é que todas as minhas peças são especiais para mim. Como foram todas criadas com sentimentos distintos, que faziam todo o sentido no momento da criação, não consigo escolher uma só. Todas são favoritas.

 

LC: Onde encontras inspiração para o teu trabalho?

Pedro Neto: Todas as minhas coleções são inspiradas em obras de arte, mais propriamente em pinturas. Foco-me sobretudo em vários períodos da arte, desde pinturas renascentistas, pré-rafaelitas, expressionismo abstrato, entre outros.

 

LC: Dentro das tuas tarefas, que tipo de trabalho gostas mais de realizar?

Pedro Neto: Embora considere todas as tarefas especiais, porque sou um apaixonado do meu trabalho, talvez atribua mais significância à escolha de tecidos. Uma das grandes dificuldades na área do design é, sem dúvida, a escolha dos materiais. O verdadeiro designer tem que ter, não só, sensibilidade ao toque, mas também a capacidade de prever a adequação dos tecidos às peças que quer criar.

 

LC: Achas que os portugueses têm bom gosto?

Pedro Neto: Não diria necessariamente que os portugueses não têm bom gosto, talvez seja mais apropriado dizer que têm pouca cultura visual.

 

LC: Que conselhos de moda darias ao homem comum?

Pedro Neto: São inúmeros os conselhos que poderia dar sobre moda, no entanto, depende sempre a quem nos direcionamos. Todos temos o nosso próprio estilo e a nossa forma de ver o mundo. De uma forma geral, apontaria para o blazer preto. É um clássico intemporal, que serve para várias ocasiões. Nunca deixará ninguém ficar mal.

 

LC: Queres partilhar connosco algumas tendências para o próximo inverno?

Pedro Neto: Nada com uma boa pesquisa para adquirir cultura visual ☺

Homens: www.vogue.com/fashion-shows/fall-2017-menswear

Mulheres: www.vogue.com/fashion-shows/fall-2017-ready-to-wear

Paula Sampaio Duarte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *